segunda-feira, janeiro 17, 2011

Parei!

Hoje, segunda-feira, eu declaro: parei de assistir programas jornalísticos na televisão, parei de ler os principais jornais do país e, em sites de notícias, só vou ler a partir dos quinze centímetros da página.
Eu me cansei. Cansei de ver tanta desgraça acontecendo.
Não vou fechar os meus olhos para o mundo, mas não quero mais sofrer com tantas desgraças naturais acontecendo pelo estado.
Não dá pra ficar acompanhando tudo, sofrendo junto, com nó na garganta, a cada vez que as reportagens atualizam o número de mortos, os programas de televisão entrevistam pessoas que perderam famílias.
Definitivamente eu sou fraca. Fraca mesmo. Fraca pra essas realidades chocantes. Fraca pro sofrimento alheio. Fraca pras reportagens, pras fotos, pras imagens. Fraca pros que perderam tudo. Literalmente tudo. Fraca pra todo o resto.
Sou fraca pra tanta dor.
Por tanta fraqueza, decidi que a partir de hoje eu não acompanho mais os números da tragédia. Hoje, oficialmente, porque ontem à noite, eu já não dei conta de dormir com a televisão do quarto ligada. Mesmo com os olhos fechados, eu teria na mente o zumbido da desgraça, martirizando, tocando.
Não vou mais falar sobre as chuvas e suas consequencias aqui no brog. Meus três leitores não passam por aqui pra saber sobre o assunto, pra se atualizarem sobre o número de mortos, de feridos, de desabrigados ou desaparecidos.
Pro próximo post, daqui a pouco, prometo falar sobre... cinema!

2 comentários:

Giovana Damaceno disse...

É. Não costumo falar dos assuntos corriqueiros, mesmo as desgraças, no meu blog. 'Cronicar' é mudar de assunto. Ainda bem. Ver já é difícil; não gostaria de falar a respeito. Só não consegio escapar da política durante as eleições. Foi tanta aberração que assisti à min ha volta que 'num guentei'. Beijão!

Edinho disse...

Verdade Flávia, está complicado ser uma pessoa informada nesse país. E o pior, quanto mais nos informamos mais chegamos a conclusão, de que estamos andando em círculos, pois para toda tragédia existe um precedente há cerca de 30, 40 anos ou mais, este é o sinal de que a natureza é cíclica, e nós com a interferência desordenada aceleramos eventos dessa magnitude. Daqui a 2 meses esqueceremos a tragédia e ficaremos com a lembrança dos que se foram, ocupados em reconstruir o errado, esqueceremos de organizar, ordenar e conviver de forma pacífica com a natureza para evitar passagens como essa em nossas vidas. Espero que as autoridades passem a fazer sua parte, já venho a algum tempo alertando que alguns bairros de Penedo estão na mesma situação, as encostas se desmanchando e se Deus não tiver piedade ou se as autoridades não agirem rapidamente, os moradores dessas áreas ficarão jogados e reféns da própria sorte. Que Deus nos dê a força necessária para seguir em frente, e a paz e o conforto para as vitimas, órfãos e sobreviventes da tragédia.