sábado, maio 07, 2011

Quanto custa?

Só depois que a gente cresce é que vê como as coisas são caras. Tudo custa dinheiro. E muito, diga-se de passagem.
Durante boa parte da vida, ouvi papai dizer que quando eu crescesse é que eu ia saber quanto custava isso ou aquilo, só quando eu trabalhasse é que eu ia aprender a dar valor ao dinheiro, porque viver custa caro e mais um monte de lenga-lenga que, provavelmente todos os pais do mundo devem tentar colocar na cabeça dos filhos.
E eu ouvi tanto, que me acostumei. E o problema em ter me acostumado foi que, quando passei a ganhar meu próprio dinheiro, me preocupava pouco com o custo de tudo. Cheguei a achar que o meu pai sempre foi exagerado com os comentários dele.
Aí o tempo foi passando.
Nunca achei que meu trabalho recebesse remuneração devida, mas nunca passou pela minha cabeça que a minha baixa remuneração poderia ser explicada, na verdade, pelo alto custo de tudo o que eu consumia.
E o tempo continuou passando.
Estive em Brasília, estive em São Paulo. Vários empregos, várias ocupações, freelas, textos e rotinas depois, estou desesperadamente concluindo que meu pai sempre teve razão.
E eu explico como ando descobrindo isso....
Pra inaugurar o primeiro post do marcador, #obra (o sustenido é só porque vou utilizar a mesma identificação no twitter, pra marcar o assunto), precisava desabafar compartilhar com meus três leitores minha nova saga.
Há uma semana, dei início ao sofrimento à obra de reforma da minha casa. Não tão minha, já que vou morar nela com o Dê depois que nos casarmos.
E se começamos, efetivamente, há uma semana, há pelo menos duas começamos a apreçar, procurar e comprar materiais para a obra.
E foi aí que comecei a entender a preocupação do meu pai. Gente!!! Os preços estão pela hora da morte!
Qualquer coisa que eu precisei comprar neste período, não custou menos que 400 reais. É, é verdade... e olha que ando ouvindo que isso não é nem o começo.
E se isso não é nem o começo, to pensando seriamente em parar por aqui dar uma freada nos gastos e repensar o casamento tantos detalhes que tracei para o nosso cantinho.
Ainda falta tanta coisa... dá pa imaginar, já que estamos nessa luta há apenas uma semana.
E essa uma semana foi de sofrimento, especialmente nos momentos de ouvir os preços das coisas.
Meu pai tinha mesmo razão! Viver é caro. Crescer é caro. Ser adulto é caro. Sapatos são caros, disso eu sempre soube. Construir é caro.
Mas... quanto custa casar?
O que?????
Isso tudo?

Um comentário:

Giovana Damaceno disse...

Bem-vinda à vida de gente grande. Já fiz duas e dizem que apenas uma basta.